terça-feira, 17 de junho de 2008

Fabricantes de espuma de carnaval investem com temor na renovação do estoque

Junho é o mês de renovar as licenças, enviar amostras para análises e lançar produtos, para chegar a tempo nas lojas no próximo Carnaval. A maioria dos fabricantes, no entanto, não sabe se vai conseguir vender a produção, por conta da proibição mantida por algumas prefeituras e por causa das idas e vindas da Anvisa

Desde o alerta em 2000, comunicando que aerossóis importados estavam causando danos à saúde, a Anvisa levou 7 anos para regulamentar (Resolução RDC 77, de novembro de 2007) que os aerossóis do gênero “neve de carnaval”, fabricados no País ou importados, devem ser aprovados em testes de absorção cutânea, toxicidade oral aguda, alergenicidade, irritação primária da pele e dos olhos.
Por conta desse impasse, observam os fabricantes, muitas pessoas se feriram e algumas prefeituras, como as de Recife e do Rio de Janeiro, proibiram o uso de espuma de carnaval nas cidades, causando prejuízo de até 70% para os industriais e dando margem a cenas grotescas de retirada dos produtos nas lojas.

“Soubemos de casos no Rio de Janeiro em que os fiscais não só recolheram as espumas, mas toda sorte de aerossóis das prateleiras”, conta Dimitri Giokaris, diretor da Aerojet, de São Paulo.

O trágico, lembra Giokaris, é que em 24 de janeiro de 2002, a mesma Anvisa, que depois proibiu a “meleca” e regulamentou o uso da espuma de carnaval, emitiu documento dizendo que tais produtos podiam causar alterações cardíacas , inconsciência e até levar à morte. “Mas nada fez, apenas lavou as mãos até novembro de 2007, quando regulamentou o produto.”

Ao mesmo tempo em que iniciam a produção (o processo leva um mínimo de quatro meses, da renovação das licenças até a chegada às lojas), os fabricantes tentam com liminares reverter proibições municipais.

No Rio de Janeiro, por exemplo, onde o Carnaval é um dos mais celebrados, a própria Associação Brasileira de Aerossóis e Saneantes Domissanitários (ABAS) está empenhada na revogação da Lei Municipal número 4.563/2007. A entidade sugere que se proíba somente os produtos que não tenham seus testes aprovados pela Anvisa.

Primeira Página Assessoria de Comunicação e Eventos
www.ppagina.com
Luiz Carlos Franco
Juliana de Souza
junho/2008

Farol Comunitário TV Web