sexta-feira, 11 de julho de 2008

Capitu manda flores para Machado de Assis, cem anos depois de sua morte

Num desafio criativo sem precedentes, 40 autores brasileiros contemporâneos reescrevem contos famosos de Machado de Assis, recontando, à luz de hoje, histórias que o bruxo tornou eternasNo centenário da morte de Machado de Assis, a Geração Editorial lança uma coletânea audaciosa e sem precedentes: um grupo de 40 autores brasileiros de alto nível pratica o exercício original, estimulante e desafiador de recriar, a partir do tema, dez das melhores histórias do maior escritor brasileiro de todos os tempos. O livro - “Capitu mandou flores” (Geração Editorial, 528 pags., R$ 49,90) surgiu da idéia do premiado contista, doutor em Letras pela Unicamp e professor universitário Rinaldo de Fernandes, autor de antologias de sucesso como “Contos Cruéis” e “O Clarim e a Oração”, da mesma editora.

Na década de 70, o escritor Osman Lins já havia proposto a cinco autores – Antonio Callado, Autran Dourado, Julieta de Godoy Ladeira, Lygia Fagundes Telles e Nélida Pinõn –, além dele próprio, recriar o lendário conto “Missa do Galo”, o que fizeram com grande maestria e resultou no livro Missa do Galo – variações sobre o mesmo tema. Ninguém, até agora, havia proposto a empreitada de se recriar 10 histórias e publicá-las juntamente com as recriações. Na presente antologia, os dez contos reescritos são o próprio “Missa do Galo” e ainda “A Cartomante”, “O Espelho”, “Noite de Almirante”, “A causa secreta”, “Pai contra mãe”, “O Alienista”, “ Uns braços”, “O Enfermeiro” e “Teoria do medalhão”. Para ampliar o projeto, alguns autores recriaram também trechos e situações do romance Dom Casmurro. Além dos contos originais de Machado de Assis – e um resumo de Dom Casmurro – o livro contém também cinco ensaios sobre a obra de Machado. Para que serve um livro como este? Em primeiro lugar, informa a editora, trata-se de um reencontro com a obra de Machado de Assis, nos cem anos de sua morte. Ler – para as novas gerações – ou reler 10 das melhores histórias de Machado é sem dúvida uma experiência literária e humana muito rica. Ler como autores consagrados, emergentes ou promissores recontaram as mesmas histórias é também exercício intelectual mais do que estimulante.

Entre os autores, estão consagrados como Lygia Fagundes Telles, Moacyr Scliar, Hélio Pólvora e outros, emergentes, como Daniel Piza, André SantÁnna, Fernando Bonassi e Nelson de Oliveira.

Veja aqui a lista completa, por ordem alfabética: Aldo Lopes de Araújo, Aleilton Fonseca, Amador Ribeiro Neto, André Luís Gomes, André Sant’Anna, Andréa del Fuego, Antonio Carlos Secchin, Bernardo Ajzenberg, Carlos Gildemar Pontes, Carlos Ribeiro, Cecília Prada, Daniel Piza, Deonísio da Silva, Fernando Bonassi, Glauco Mattoso, Godofredo de Oliveira Neto, Hélio Pólvora, Ivana Arruda Leite, João Anzanello Carrascoza, Leila Guenther, Luiz Costa Lima, Lygia Fagundes Telles, Marcelo Coelho, Maria Alzira Brum Lemos, Maria Valéria Rezende, Marilia Arnaud, Mário Chamie, Moacyr Scliar Nelson de Oliveira, Nilto Maciel,Pedro Lyra, Raimundo Carrero, Regina Zilberman, Rinaldo de Fernandes, Ronaldo Cagiano, Sérgio Fantini, Silviano Santiago, Sônia Maria van Dijck Lima, Suênio Campos de Lucena, Tércia Montenegro, W. J. Solha A Geração Editorial acredita que este livro ficará entre as obras mais importantes da literatura brasileira contemporânea.

Farol Comunitário TV Web